Aprenda sobre a Bíblia

Início » 2017 » outubro

Arquivo mensal: outubro 2017

Anúncios

500 anos da Reforma Protestante (Parte 1)

Por Diego Nascimento*

Reforma Protestante é o título dado ao movimento iniciado por Martinho Lutero, um monge agostiniano que em 31 de outubro de 1517 afixou 95 teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, Alemanha, questionando o abuso do então governo da Igreja por meio de uma interpretação tendenciosa das Sagradas Escrituras. Segundo a tradição o estopim para tal ato de Lutero foi a venda de indulgências a fiéis. Iniciada no século XIII a prática visava a concessão do perdão dos pecados por meio de pagamento em dinheiro.

Lutero propôs, ainda, após anos de estudos bíblicos, que a salvação não poderia ser alcançada pelas boas obras ou por quaisquer méritos humanos, mas somente pela fé em Cristo Jesus, único Salvador, graça direta de Deus. O monge foi influenciado pelo trabalho de pré-reformadores a exemplo de John Wycliffe (1328 – 1384), John Huss (1373 – 1415), Jerônimo Savanarola (1452 – 1498) e William Tyndale (1484-1536).

Depois de intensas intervenções vindas de Roma, Martinho Lutero foi excomungado pelo Papa Leão X em 1521. O ano seguinte foi marcado por um sequestro e consequente exílio no Castelo de Wartburg. Nesse tempo, Lutero concentrou esforços na tradução da Bíblia Sagrada para o alemão. Em 1522 o ex-monge regressou a Wittenberg para uma série de pregações e reuniões com diversas pessoas que já compartilhavam de seus escritos.

Uma das principais argumentações que foi defendida por Lutero era a busca de um novo entendimento sobre a relação entre Deus e os homens. Nessa perspectiva surgiu a divulgação dos “Cinco Solas”:

– Sola Scriptura (Somente a Escritura): para os reformadores, apenas a Bíblia possui instruções e regras de fé e prática, o que também foi evidenciado pela Confissão de Fé de Westminster;

– Solo Christus (Somente Cristo): apenas Jesus é a ligação entre Deus e os homens;

– Sola Gratia (Somente a Graça): a infinita misericórdia de Deus e a manifestação de sua graça por meio de Cristo possibilitam ao homem o acesso a salvação;

Sola Fides (Somente a Fé): é exclusivamente por ela a crença em todos os fatos evidenciados pela Bíblia Sagrada;

– Soli Deo Gloria (A Deus somente, a glória): apenas ELE é digno de honra e louvor. Deus é onisciente (sabedor de todas as coisas), onipotente (poderoso sobre tudo) e onipresente.

…Continua no próximo Boletim Informativo.

  • Diego Nascimento é presbítero da I Igreja Presbiteriana de Lavras (MG)
Anúncios

A água que transforma

Por Diego Nascimento*

Muitas cidades brasileiras têm enfrentado o racionamento de água em virtude dos baixos níveis dos reservatórios. Além da seca que castiga determinadas regiões do país existe também a falta de consciência e bom senso de inúmeros habitantes quando o assunto é preservação ambiental. A destinação inadequada de resíduos líquidos e sólidos prejudicam o solo, lençóis freáticos, nascentes, riachos e assim por diante. Uma bomba relógio que está próxima de uma explosão sem precedentes.

O cristão precisa compreender que o testemunho também inclui nossa responsabilidade com a natureza. O meio ambiente é uma dádiva dada por Deus: “Todas as coisas foram feitas por intermédio dele; sem ele, nada do que existe teria sido feito.” João 1:3. A biodiversidade tão estudada pela Ciência é o reflexo da grandeza do Senhor em cada detalhe. Plantas, animais e microrganismos funcionando como uma orquestra afinada e regida pelo Criador. No Salmo 19:1 lemos que “Os céus declaram a glória de Deus; o firmamento proclama a obra das suas mãos.” Essa afirmação evidencia nossa participação em um contexto muito mais amplo do que seguirmos a agenda de atividades da Igreja e pensarmos que estamos fazendo muito.

Se por um lado nossas nascentes e rios estão em ameaça, nosso íntimo é saciado por algo ressaltado pelo próprio Jesus em João 4:14 “Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.” É hora de “inundar” o mundo por meio de nosso testemunho e a responsabilidade ecológica faz parte disso.

Aja e transforme!

  • Diego Nascimento é presbítero da I Igreja Presbiteriana de Lavras (MG)

 

Pare de reclamar e seja útil

Por Diego Nascimento*

O bem-estar emocional dos funcionários é um assunto muito discutido em empresas no mundo todo. Não importa a posição geográfica ou idioma sempre encontraremos pessoas rabugentas e que encaram o trabalho como uma obrigação chata e árdua. Essa é uma das razões por certos desentendimentos entre colegas, departamentos e pelo baixo desempenho das instituições no cumprimento de metas e até na prestação de serviços.

A Igreja é composta pelo ajuntamento de pessoas com o foco único e exclusivo em Cristo Jesus, embora não seja difícil encontrar indivíduos que passem longe desse objetivo e que direta ou indiretamente encarem a estrutura eclesiástica como uma organização empresarial. Visão distorcida se avaliarmos o Livro de Atos 2: 42 a 47. A comunhão cristã exige a prática do amor ao próximo, do acolhimento e do sacrifício. É isso que leva algumas comunidades a caminharem por quilômetros, debaixo de sol e chuva, para participarem de cultos de louvor e adoração a Deus sem qualquer tipo de conforto enquanto, de forma vergonhosa, reclamamos do banco recém-instalado dentro do templo, criticamos a falta de aparelhos de ar-condicionado em classes bíblicas ou damos margem a comentários podres sobre as limitações de alguns irmãozinhos.

Na carta do apóstolo Paulo aos Filipenses, capítulo 2, verso 3, encontramos a seguinte recomendação: “Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a vocês mesmos. ” Em um contexto de parceria e compaixão encontramos cenários desgastados por intrigas desnecessárias originadas por gotas de orgulho e soberba. O relógio do “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda a criatura” está girando e tristemente perdemos tempo com coisas insignificantes, criadas por puro ego. O verdadeiro bem-estar pautado em Cristo elimina discórdias e otimiza as atividades para o crescimento do Reino.

Vivemos dias maus, mas com a esperança em Nosso Senhor. ELE nos conduz a passos largos quando permitimos um quebrantamento de nossos corações e abolimos o “Eu” e optamos pelo “Nós. ” É o que Paulo escreve aos Colossenses no verso 12 do capítulo 3: “Portanto, como povo escolhido de Deus, santo e amado, revistam-se de profunda compaixão, bondade, humildade, mansidão e paciência. ” Paremos de reclamar e sejamos úteis!

  • Diego Nascimento é presbítero da I Igreja Presbiteriana de Lavras (MG)