Aprenda sobre a Bíblia

Início » 2013 » abril

Arquivo mensal: abril 2013

Não ouse acrescentar Nada!

Por C. H. Spurgeon

 
 
A lei do Senhor é perfeita;  (Salmos 19.7) – A referência não é somente à lei de Moisés mas à doutrina de Deus, a todo o conjunto de instruções da Sagrada Escritura. A doutrina revelada por Deus é declarada perfeita, e observe-se que Davi tinha apenas uma pequena parte das Escrituras. Se um fragmento da porção mais obscura e histórica já é perfeito, o que dizer do volume inteiro? Muito mais do que perfeito é o livro que contém a demonstração mais evidente do amor divino, e nos abre a visão da graça redentora. O evangelho é um plano completo ou lei da salvação pela graça; ele apresenta ao pecador tudo o que este precisa para suprir suas terríveis necessidades. Na Palavra de Deus e no plano da graça não há redundâncias nem omissões; por que, então, pintar os lírios que já têm sua cor e dourar o ouro que já foi refinado? O evangelho é perfeito em todas as suas partes, e perfeito como um todo: é crime acrescentar, traição alterar e perfídia retirar algo dele.
 
E restaura a alma. Ela faz o homem retornar ou ser recuperado para o lugar de onde o pecado o expulsara. O efeito prático da Palavra de Deus é fazer o homem voltar-se para si mes¬mo, para Deus e para a santidade, e a volta ou conversão não é apenas exterior; a alma é tocada e renovada. O maior agente da conversão do pecador é a Palavra de Deus, e quanto mais próximos nos conservamos dela em nosso ministério, tanto maior a possibilidade de sucesso. E a palavra de Deus, e não a interpretação humana dela, que exerce poder sobre as almas. A lei e o evangelho agem diferentemente, mas o resultado é o mesmo, pois pela ação do Espírito de Deus a alma cede e suplica: “Converte-me, e serei convertido.” Tente convencer a natureza corrupta do homem com filosofias e raciocínios; ele sorrirá dos seus esforços, mas a Palavra de Deus logo opera uma transformação.
 
O testemunho do Senhor é fiel. Deus dá testemunho contra o pecado e em favor da retidão; ele testifica a nossa queda e restauração; seu testemunho é claro, decidido e infalível, e deve ser aceito como correto. O testemunho de Deus em sua Palavra é tão exato que nele encontramos sólido conforto, tanto para o presente como para a eternidade, e nenhum golpe contra ele desferido, por mais violento e sutil que seja, poderá diminuir sua força. Que bênção saber que num mundo de incertezas temos algo tão seguro onde nos apoiar! Libertamo-nos, assim, das areias movediças da especulação humana para a terra firme da Revelação Divina.
 
E dá sabedoria aos símplices. Mentes humildes, puras e ensináveis recebem a Palavra e com ela a sabedoria para a salvação. Coisas ocultas aos sábios e prudentes são reveladas a criancinhas. Os que se deixam persuadirficam sábios, mas os sofistas permanecem tolos. Como lei ou plano, a Palavra de Deus converte e, a seguir, como testemunha, instrui. Todavia, a conversão é insuficiente; precisamos dar continuidade sendo discípulos. E se temos sentido o poder da verdade, havemos de provar sua autenticidade através da experiência. A perfeição do evangelho converte, mas a certeza a respeito dele edifica; para sermos edificados, não podemos vacilar incrédulos diante da promessa, pois um evangelho de que duvidamos não poderia nos dar sabedoria. Somente uma verdade da qual podemos ter certeza pode nos servir de esteio.
 
8. Os preceitos do Senhor são retos. Os estatutos e os decretos divinos estão fundamentados na justiça e são compreensíveis para a razão humana. Como um médico prescreve o medicamente correto, e um conselheiro o parecer adequado, assim é a Palavra de Deus. E alegram o coração. Observemos o progresso: o convertido ganha primeiramente sabedoria, e a seguir felicidade; a verdade que torna reto o coração, também lhe concede alegria. A graça traz júbilo ao coração. A alegria que procede deste mundo reside nos lábios e excita as forças do corpo; os prazeres celestiais, porém, satisfazem a natureza interior e preenchem as faculdades mentais até transbordarem. Não há refresco mais agradável do que este, derramado do cântaro das Escrituras. “Para ser feliz, refugie-se e leia a Bíblia.”
 
O mandamento do Senhor é puro. Não há enganos infiltrados que o contaminam, nenhuma nódoa de pecado o polui; ele é o leite não-adulterado, o vinho não-diluído. E ilumina os olhos, ou seja, limpa com sua própria pureza a obtusidade humana que interfere no discernimento intelectual: para os olhos obscurecidos por tristeza ou pecado, a Escritura é um oculista habilidoso que os torna claros e radiantes. Olhe para sol e ele lhe cegará os olhos; olhe para a luz maior da Revelação e ela os abrirá. A pureza da neve provoca uma cegueira no viajante dos Alpes, mas a pureza da verdade divina exerce o efeito contrário e cura a cegueira natural da alma. Convém novamente observarmos a gradação: o convertido tornou-se um discípulo e a seguir uma alma jubilosa; agora ele obtém olhos perspicazes e, como pessoa espiritual, discerne todas as coisas, embora ele mesmo não seja perscrutado pelos outros.
 
9. O temor do Senhor é límpido. A doutrina da verdade é aqui descrita pelo seu efeito espiritual, ou seja, a consagração interior ou temor ao Senhor; ela é límpida em si mesma e limpa do amor ao pecado o coração onde reina, santificando-o. O Sr. Temente a Deus não se satisfaz enquanto cada rua, estrada e viela, sim, cada casa e cada esquina da cidade de Alma-Humana não esteja varrida da sujeira diabólica que a infesta. E permanece para sempre. A imundície gera decadência, mas a limpeza é o grande inimigo da corrupção. O princípio puro da graça de Deus habitando no coração do homem é permanente e incorruptível; pode ser suprimido por algum tempo, mas não pode ser destruido. Tanto na Palavra como no coração, quando o Senhor escreve, ele repete as palavras de Pilatos: “O que escrevi, escrevi.” Deus não faz rasuras, nem permitirá que outros façam. A vontade revelada de Deus é imutável, até mesmo Jesus veio não para destruir mas para cumprir, e até a lei cerimonial foi mudada somente na sua sombra, a substância que nela reside é eterna. Enquanto os governos das nações são abalados por revoluções e antigas constituições são rejeitadas, é confortador saber que o trono de Deus é Inabalável.
 
Os juízos do Senhor são verdadeiros e todos igualmente justos. Conjunta e separadamente as palavras do Senhor são verdadeiras; aquela que é boa no detalhe é ótima no conjunto; não há nenhuma exceção para uma frase isolada nem para o livro como um todo. Os juízos de Deus, em conjunto ou em separado, são manifestamente justos, e não precisam de explanações trabalhosas para se justificarem. As decisões judiciais de Jeová, reveladas na lei ou ilustradas na história de sua providência, são a própria verdade e óbvias para toda mente sincera; não apenas seu poder é invencível: sua justiça é inquestionável.

 

10.    São mais desejáveis do que ouro, mais do que muito ouro depurado. A verdade bíblica enriquece a alma ao mais elevado grau: a metáfora vai ganhando força: ouro – ouro depurado – muito ouro depurado. Ela é boa, melhor, ótima, e merece ser desejada com voracidade maior que a de um faminto. Uma vez que o tesouro espiritual é mais nobre do que a mera riqueza material, ele deve ser desejado e procurado com um ardor cada vez maior. Fala-se sobre a solidez do ouro, mas o que é mais sólido do que uma verdade sólida? Por amor ao ouro as pessoas abrem mão do prazer, renunciam à tranqüilidade e põe a vida em perigo; não devemos estar prontos para fazer o mesmo por amor à verdade? E são mais doces do que o mel e o destilar dos favos. Segundo Trapp: “Aos mais velhos interessa o lucro, aos jovens o prazer; àqueles está reservado o ouro, sim, o ouro depurado em grande quantidade e a estes, o mel, sim, o mel puro que escorre dos favos.” Os prazeres resultantes de uma compreensão correta dos testemunhos divinos são da mais preciosa ordem. As alegrias terrenas são totalmente desprezíveis se comparadas a eles. Os deleites mais doces, sim, o mais doce de todos são a parte de quem tem a verdade de Deus por herança.
Anúncios

Conheça algumas pregações feitas por Spurgeon

Acesse:

http://voltemosaoevangelho.com/blog/2013/04/baixe-6-ebookspregacoes-de-charles-spurgeon/#axzz2RVJOCqDB

O Universitário Cristão

por

Davi Lago

 

Infelizmente muitos cristãos esfriam na fé quando ingressam na universidade. Mas não é difícil perceber o motivo. As pressões que o jovem cristão enfrenta no mundo para abandonar a fé, são multiplicadas no ambiente universitário.

Na universidade o estudante, semanalmente, está repleto de convites para festinhas, barzinhos e showzinhos. O acesso às drogas e todo tipo de vício é fácil. O ambiente é promíscuo, com as roupas indecentes e o comportamento imoral dos alunos. Todo tipo de piada, blasfêmias e ridicularizações são feitas constantemente. Sem falar que é preciso enfrentar o ateísmo e as duras críticas contra Deus, o Cristianismo e a Igreja, feitas pelos professores e escritores.

Diante dessas situações, muitos cristãos têm tomado uma das seguintes atitudes: ou cedem às pressões com medo da rejeição e zombaria; ou partem para um isolamento total, ficando absolutamente acuados.

Mas nenhuma dessas posturas é a correta. Evidentemente o cristão não deve negar sua fé, e tampouco se isolar, se tornando sal insípido que não serve para nada.

Quais devem ser então, as características de um universitário cristão? Vejamos:

O universitário cristão precisa, antes de tudo, ter profunda convicção da fé em Jesus Cristo. Para isso deve ter comunhão diária com Deus. Precisa de saúde espiritual. Assim ele viverá um cristianismo contagiante. A presença de Deus será perceptível, e seu testemunho poderoso.

O universitário cristão precisa conhecer a Bíblia a fundo. Na universidade não há espaço para brincadeiras, por isso é preciso saber defender consistentemente a fé cristã.

O universitário cristão precisa ser um aluno exemplar. Precisa estudar o dobro que os outros. Deve fazer tudo com excelência, se superar, e ser a referência.

O universitário cristão também precisa compreender o mundo. Não pode ficar apático e indiferente aos temas políticos e sociais. Precisa ser atuante. Deve se posicionar diante dos acontecimentos do mundo com uma perspectiva cristã, e influenciar os outros com suas opiniões. Suas idéias devem ser sempre relevantes.

O universitário cristão precisa se conscientizar que ele é um formador de opinião. Precisamos de escritores, professores, cronistas que interpretem o mundo com uma mente cristã!

O universitário cristão é um missionário num campus de evangelização. Deve pregar a tempo e fora de tempo. Deve ter sempre uma mensagem significativa para os não-cristãos. O universitário cristão tem que ser parecido com Cristo!

Deus nos capacite! Não podemos ser acomodados. Não podemos ser vacilantes na fé. Devemos sim, viver um cristianismo vivo, ousado, consciente e fervoroso!

Que todos os universitários cristãos possam resplandecer a luz de Cristo! Que nesta sociedade corrompida e depravada, cada um se torne uma referência da vida plena e abundante que há em Cristo Jesus.

Qual o Papel do Crente e de Deus na Santificação?

John F. MacArthur Jr.

 

Alguém falou a certo pastor: “A Escritura afirma que ‘Não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim’. Não temos que fazer nada por nossa santificação, mas simplesmente nos rendermos a Deus e deixarmos que Ele faça tudo”.

Na verdade esta pessoa estava refletindo o ensino de um movimento nos Estados Unidos, chamado “Vida Mais Profunda” (deeper life), o qual afirma que, para se vivera vida cristã em santidade não se precisa fazer esforço algum, pois o poder deve vir de Cristo. Isso tem um pouco de verdade, mas exclui uma outra verdade igualmente importante: A Escritura exorta o crente a viver a vida cristã com esforço. Veja o que nos diz Hebreus 6:11-12 e 2 Pedro 1:5-7. Mas gostaria de enfatizar o que nos diz o apóstolo Paulo em Filipenses 2: “Desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor. Porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.”

Quietismo e Pietismo

O que aquela pessoa falou ao pastor sobre santificação é chamado de “quietismo”. O quietismo afirma que o cristão deve ser passivo no crescimento espiritual. Devemos deixar que Deus faça tudo, pois nosso frágil esforço só faz atrapalhar a ação de Deus. Devemos apenas “render-nos” ao Espírito Santo, e Ele nos dará a vitória.

O oposto do quietismo é o “pietismo”, que ensina que os crentes devem trabalhar muito e praticar uma autodisciplina extrema para conseguirem piedade pessoal. Devemos fazer estudos bíblicos enérgicos, ser auto-disciplinados, obedientes, diligentes para conseguirmos vidas santas. Mas não pára aí; adota padrões legalistas no seu modo de vestir, de comer, no seu estilo de vida, etc.

Muitos quietistas e pietistas concordam em que a salvação é pela graça, por meio da fé, mas a discordância deles é na área da santificação. Os quietistas desprezam o esforço do crente e arriscam-se a promover a irresponsabi1idade, a apatia espiritual. Os pietistas exageram o esforço humano e tendem a provocar o orgulho e a cair no legalismo.

Equilíbrio Adequado

Vejamos o que Paulo nos diz no capítulo 2:12-13 de sua carta aos Filipenses: “Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém muito mais agora na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é quem efetua em, vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade.”

No capítulo 12, Paulo fala como um pietista, que nós ternos de agir: “desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor…“. No versículo 13 ele fala como um quietista: que Deus é quern age: “Deus é quem efetua em vós…“. Vemos aqui o perfeito equilíbrio, apesar de não compreendermos tudo completamente, pois o texto diz que devemos agir, mas na verdade é Deus que está operando em nós tanto o querer como o efetuar. Paulo não se preocupa em dar explicações, mas simplesmente afirma os dois lados. Quem pode compreender a mente de Deus? Seus pensamentos são muito altos para nosso entender limitado (Isaías 55:9; Deuteronômio 29:29).

O mesmo problema existe no ensino bíblico sobre a salvação. O Evangelho exige um ato do homem no qual o pecador se arrepende e põe sua fé na pessoa e obra de Cristo. No entanto, a Escritura garante que a salvação é uma obra totalmente de Deus (Efésios 1:8,9) e que Ele escolheu pessoas para a salvação antes da fundação do mundo (Efésios 1:4-5).

O mesmo se observa no ensino sobre a perseverança dos santos. Da mesma forma que a Bíblia exige “Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida“, ela nos garante que ninguém pode nos arrebatar das mãos de Deus (João 10:27-29) e que ninguém pode nos separar do amor de Deus (Romanos 8:33-35). A salvação está garantida, mas temos de perseverar.

Na questão da santificação vemos o esforço do crente unido ao soberano controle de Deus. Paulo exemplifica este ensino ao dizer em 1 Coríntios 15: 10– “Pela graça de Deus sou o que sou; e sua graça, que me foi concedida, não se tornou vã” Aqui soa como quietismo, mas logo diz: “antes, trabalhei muito mais do que todos eles“, agora soa como pietismo, e termina afirmando: “todavia não eu, mas a graça de Deus comigo.” Isso é quietismo novamente. Paulo não estava defendendo nem o pietismo nem o quietismo, mas mostrando um perfeito equilíbrio entre Deus, o qual opera no crente, e o crente mesmo, que se deve esforçar por ser santo.

Ele nunca falou de sua santificação sem reconhecer ambos os lados. Dessa forma vemo-lo afirmando novamente, em Colossenses 1:28-29, que se afadiga e se esforça segundo a eficácia que opera nele. “Afadigo-me“, no grego, é a palavra kopiao, que se refere ao trabalho cansativo, à exaustão. “Esforçando-me” no grego, é a palavra agonizomai, que significa agonizar, lutar, sofrer. Porém, completa: “Segundo a eficácia que opera eficientemente em mim“. Os crentes devem usar todas as suas energias para servirem ao Senhor com diligência. Ao mesmo tempo, tudo que se realiza em nosso íntimo é a obra de Deus.

Qual a nossa parte? Desenvolver a nossa salvação.

Desenvolvei a vossa salvação“. No grego é o presente do imperativo “esforçai-vos incessantemente para desenvolver a vossa salvação“. Não é uma ordem dada a incrédulos mas a crentes. Não é, portanto, um esforço para se ganhar a salvação, pois esta é um dom de Deus. Mas é um chamado aos crentes para que se esforcem e sejam diligentes no viver santo (2 Coríntios 7: 1; Efésios 4: 1). O sentido mais correto não é “trabalhem pela salvação“, mas “trabalhem na salvação” em direção à consumação da fé, em busca da santidade.

Vamos ao texto de Filipenses 2:12. Aqui vemos 5 frases que nos ajudam a entender como desenvolver a nossa salvação. “Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor“.

1. “Assim, pois“: Compreendam o exemplo que lhes foi apresentado. Essa expressão nos leva de volta a Filipenses 2:5-11, onde Jesus é apresentado como modelo de humildade, obediência e submissão. Ele é o nosso padrão de vida (1 João 16).

2. “Amados meus“: Entendam que vocês são amados. A Igreja de Filipos era uma igreja fiel, mas tinha problemas de orgulho e desunião e por isso Paulo dá ênfase na questão da unidade. Evódia e Sintique, duas mulheres, lideraram facções opostas uma a outra (Filipenses 4:2,3). Porém, apesar de tudo, Paulo os amava e por isso os corrigia e chamava de “amados”. Deus é assim, ama, tem misericórdia de nós, mesmo quando fracassamos no nosso processo de santificação.

3. “Como sempre obedecestes“: Entendam o valor da obediência. A palavra grega traduzida por “obedecestes” (hupakouo), significa literalmente “atender à porta“, ou “obedecer, como resultado de ouvir“. Ou seja, submeter-se ao que se ouviu. Foi o que aconteceu com Lídia ao ouvir a pregação de Paulo. Ela atendeu ao apelo do Evangelho, converteu-se, foi batizada e passou a servir a Paulo e seus companheiros. O mesmo aconteceu com o carcereiro de Filipos. Eles atenderam à Palavra.

4. “Não só na minha presença, porém muito mais agora na minha ausência“: Entendam seus recursos e responsabilidades. Eles buscaram a santidade por conta própria, e esta é uma responsabilidade de cada cristão. O apoio de irmãos é importante, mas é fácil nos tornarmos dependentes deles. Certos crentes perdem a pureza e a santidade, quando perdem o apoio espiritual de alguém. Mas, quando Paulo exige que eles desenvolvam a santificação (“vossa salvação“), está dando a entender que, em Cristo, eles podiam viver em santidade, independentes de qualquer ajuda externa. Nós somos responsáveis por nossa vida espiritual.

5. “Com temor e tremor“: Entendendo as conseqüências do pecado. O pecado traz conseqüências, e esta é a razão porque devemos andar em santidade com temor e tremor. A palavra grega para “temor” é phobos da qual se originou fobia. A palavra grega para “tremor” é tromos que originou a palavra trauma. Estas palavras falam de um saudável temor de ofender a Deus, temor de pecar, de desonrar a Deus, do colapso moral, de entristecer a Deus e assim trazer a correção divina. lsaías no capítulo 66.2, fala do temor que Lhe agrada – “O homem para quem olharei é este: o aflito e abatido de espírito e que treme da minha palavra“. E no versículo 5 afirma: “Ouvi a palavra do Senhor, vós, os que a temeis“.

Portanto, a santidade exige esforço, não é algo fácil, pois significa ter disciplina, seguir a Jesus, ser obediente à Palavra, exercitar os dons e avaliar as conseqüências do pecado. Mas um temor saudável a Deus nos motivará a buscar esta santidade que Ele requer de nós.

Qual a parte de Deus? Operar em Nós

Em FI.2:13 Paulo explica.- “Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade“. É Ele que habita em nós e nos dá o poder de fazermos a Sua vontade. Não temos capacidade em nós mesmos, a nossa capacidade vem de Deus. (2 Coríntios 15). Em Filipenses 2:13 vemos 5 verdades a respeito de Deus, que nos ajudarão a compreender o que Deus faz por nós na santificação.

1. A pessoa de Deus. “Deus é quem efetua em vós…” É Deus quem está envolvido com a nossa vida, com o nosso bem-estar espiritual. Ele habita em nós e quer que façamos o que Ele ordena. Nosso progresso espiritual não depende de nós, nem de nossas habilidades, nem da ajuda de outros crentes, nem dos pastores, nem mesmo de anjos. Mas é Deus quem opera em nós, realizando a nossa santificação. O mesmo Deus que nos conheceu de antemão, nos predestinou, nos chamou e nos justificou, é o mesmo que nos santifica e haverá de nos glorificar (Romanos 8:30). Que diferença dos deuses pagãos! Mas Deus nos acompanha e nos supre por toda a vida.

2. O poder de Deus: Operando. “É Deus quem efetua…“. Esta palavra no original é energeo que se refere a uma energia ativa e produtiva. É um poder que opera o nosso progresso espiritual, a nossa santificação. Por isso estaremos seguros até o fim. “Aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até o dia de Cristo Jesus” (Filipenses 1:6).

3. A presença de Deus: Em nós. Deus opera em nós. Paulo diz, em Efésios 3:20, que Deus “é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o Seu poder que opera em nós“. Paulo não diz que Ele opera nos céus e sim em nós. Ele é a nossa suficiência. Aqui devemos lembrar que no V.T. os crentes adoravam no Tabernáculo, no Templo. Mas agora somos templo de Deus, pois Cristo habita no coração de cada crente. “Nós somos santuário do Deus vivente…” (2 Coríntios 6:16). Ele está conosco, sustentando-nos, suprindo e fortalecendo a nossa santificação.

4. O propósito de Deus: O querer e o realizar. É Ele que nos impulsiona a querer e a efetuar, dá-nos tanto o desejo como a habilidade. A palavra “querer” no grego é thelo que significa intento e inclinação. Deus nos dá desejos santos, agradáveis a Ele. Como? Em primeiro lugar, Ele nos dá uma santa insatisfação para com a nossa natureza carnal e corrompida. Foi isso que fez Paulo dizer em Romanos 7:14: “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?“. Em segundo lugar, Ele nos dá um desejo pelas coisas santas e puras. Isso vemos na biografia dos santos do passado e percebemos o quanto estamos longe desta dedicação a Deus. Em terceiro lugar, Deus nos dá o desejo de Lhe agradar, de causar-Lhe satisfação e isso resulta em um proceder santo.

5. A satisfação divina: Segundo a Sua boa vontade. A palavra grega traduzida por “boa vontade” é eudokia que significa satisfação ou agrado. Deus opera em nós para que façamos aquilo que Lhe agrada e satisfaz. Ou seja, desenvolver a nossa salvação com temor e tremor agrada a Deus. Somos muito queridos de Deus e quando fazemos aquilo que Lhe agrada, Ele fica satisfeito. Esta é a essência de qualquer relacionamento: queremos agradar a quem amamos. Queremos causar satisfação Àquele que perdoa as nossas iniquidades, resgata-nos da condenação eterna, coroa-nos com graça e misericórdia, enche de bens os nossos anos, de modo que a nossa mocidade se renova como a da águia (Salmos 103:3-5).

Vemos que há uma maravilhosa combinação entre os nossos esforços e os recursos, providenciados por Deus. Servimos a um Deus que nos dá poder para vivermos para Sua glória. Este é o mistério do Cristianismo: “Cristo em vós, a esperança da glória” (Colossenses 1: 27)

Deus nos chama para vivermos vidas santas, mas é Ele quem nos santifica. Deus nos convoca a servi-Lo, mas, na realidade, é Ele mesmo que nos impulsiona a isso por meio do Seu próprio poder em nós. A obra é dEle, mas é nossa também. A glória, contudo, pertence, somente a ELE.

A religiosidade é contagiante!

Por Marcelo Berti
 
É interessante como a religiosidade é contagiante: Ela não precisa de propaganda, não precisa de incentivo, nem mesmo precisa de orientação. Na verdade, parece que a religiosidade é de certo modo inato a cada um de nós. Parece que temos a necessidade de criar regras, modelos, sistemas que tornem nossa “adoração” mais palatável e objetiva.
 
 
Entretanto, nos dias de Cristo a religiosidade tinha tudo isso: Propaganda, incentivo e orientação. Os Fariseus eram os modelos da religião e tinham tudo o que era necessário para ensinarem o que era a “verdadeira” religião para o povo.
 
Eles se distinguiam das outras opções religiosas nos seus dias, por sua crença e apreço pela Lei que Deus havia dado a Moisés, a Torá. Eles também advogavam ser os verdadeiros intérpretes da Lei baseada na tradição oral dos anciões, que posteriormente veio a ser codificada no documento que conhecemos como Talmud.
 
Segundo Flávio Josefo, grande parte da população da Palestina do primeiro século aceitava sua doutrina (Ant.18.15) de modo que até mesmo os Saduceus (outro grande grupo religioso em Jerusalém) estavam sujeitos aos Fariseus (Ant.18.17).

Os Fariseus eram os homens que levavam a vida religiosa do Templo para casas, sinagogas e para a vida pessoal do judeu comum. Eles eram os heróis da religião. Homens de alta posição social e prestígio em sua sociedade.

Mas, de modo interessante, o Talmud (Mas. Sotah 22b) registra a existência de sete tipos de Fariseus no primeiro século:
  1. O Fariseu “ombro“: Esse é o tipo de fariseu que carrega todas as suas boas ações em seus ombros para que todos possam ver;
  2. O Fariseu “espera só mais um pouquinho“: Esse é o tipo de fariseu que prefere esperar para ver o que vai acontecer antes de agir. Ele sempre tem uma boa desculpa teológica para não realizar uma boa obra.
  3. O Fariseu “machucado“: Esse é aquele que fechava os olhos para evitar olhar para uma mulher, mas por fazê-lo enquanto andava, normalmente tropeçava e caia.
  4. O Fariseu “corcunda“: Esse é aquele que evitava qualquer tipo de tentação por andar olhando para baixo. Há quem diga que isso era também era uma forma de demonstrar publicamente sua humildade.
  5. O Fariseu “exibido“: Como o nome já diz, esse era o fariseu que tinha prazer em contar (numericamente) e contar (publicamente) seus feitos. O objetivo era ter sempre o maior número de boas obras que os outros participantes da religião.
  6. O Fariseu “cheio de medo“: Esse era o fariseu que temia a Deus, não exatamente por causa da sua reverência ou respeito por Deus, mas por medo de Seu julgamento. Em outras palavras, era aquele que por temer o inferno  se certificava de obedecer todos os mandamentos da Lei de Deus, mesmo aqueles criados pela tradição dos anciãos.
  7. O Fariseu “que amava a Deus“: Esse era considerado o fariseu ideal, que obedecia a Deus por amor a Deus. Um grupo minoritário, que poderia ter incluido homens como Nicodemos, José de arimatéia e até mesmo Gamaliel.
Na minha opinião, o mais interessante em ler essa lista é perceber que esse tipo de farisaísmo ainda existe e está firme e forte em nossas igrejas. R.H.Stein está correto quando diz que “nem mesmo o cristianismo está isento dessa infeliz tendência (Stein, R. H. (2001). Vol. 24Luke, pp. 340–341.).
 
A verdade é que de alguma forma os fariseus fizeram escola na igreja de tal modo que essa mesma lista poderia ser escrita para descrever sete tipos de cristãos religiosos. Deve ser por isso que também podemos dizer que ainda existe a propaganda, o incentivo e os modelos da religiosidade entre nós. É fato, a religiosidade é contagiante!

A simplicidade do evangelho e a sofisticação da Igreja

Por Ricardo Barbosa de Souza ►
 
O evangelho de Jesus Cristo é simples. Simples na forma e simples no conteúdo. A vida e o ministério de Jesus acontecem num cenário simples. Ele anunciou as boas novas do reino de Deus, demonstrou a presença do reino através de palavras, exemplos e ações. Convidou pessoas para estarem e aprenderem com ele. Sofreu as incompreensões do sistema religioso e político do seu tempo. Morreu e ressuscitou. Após a ressurreição, encontrou-se com seus discípulos e comunicou-lhes que recebera toda autoridade no céu e na terra, e que, como Rei e Senhor, enviou seus discípulos para anunciarem as boas novas, levando homens e mulheres a guardarem tudo o que ele ensinou, integrando-os numa comunidade trinitária por meio do batismo, e prometeu estar com eles todos os dias, até o fim.
 
Alguns dias depois, no meio da festa de Pentecostes, 120 discípulos estavam reunidos em Jerusalém, e a promessa de Jesus se cumpriu. Todos foram cheios do Espírito Santo, começaram a viver a nova realidade anunciada por Jesus, saíram alegremente, por todo canto, pregando a boa notícia de que Deus visitou seu povo e trouxe salvação, justiça e liberdade.
 
A história seguiu e os cristãos foram se multiplicando, organizando igrejas, criando instituições, formas e ritos. Porém, as instituições cresceram e suas estruturas se tornaram mais complexas e sofisticadas. Transformaram-se num fim em si mesma. A simplicidade do evangelho foi substituída pela complexidade institucional.
 
C. S. Lewis, na carta 17 do livro “Cartas de um Diabo a seu Aprendiz”, aborda o tema da glutonaria e afirma que uma das grandes realizações do maligno no último século foi retirar da consciência dos homens qualquer preocupação sobre o assunto, e isso aconteceu quando ele transformou a “gula do excesso na gula da delicadeza”. Para C. S. Lewis, o problema da gula, muitas vezes, não está no excesso de comida, mas na sofisticação, na exigência de detalhes em relação ao vinho, ao ponto do filé ou ao cozimento da massa. Fica impossível atender a um paladar tão sofisticado. A simplicidade do ato de comer dá lugar à sofisticação gastronômica. Pessoas assim, segundo o autor inglês, demitem cozinheiras, destratam garçons, abandonam restaurantes, cultivam relacionamentos falsos e terminam a vida numa solidão amarga.
 
Como igreja, corremos o mesmo risco. A simplicidade e pureza do evangelho já não provocam prazer na maioria dos cristãos ocidentais. A sofisticação da igreja, sim. É o vaso tornando-se mais valioso que o tesouro contido nele. Se a música não estiver no volume perfeito, o ar condicionado no ponto exato, a pregação no tempo apropriado, com conteúdo que agrade a todos os paladares e com o bom uso dos aparatos tecnológicos, talvez eu não me agrade desta igreja.
 
Justificamos a sofisticação com expressões como “busca por excelência”, “relevância”, “qualidade”. Parece justo. O problema é que a excelência ou a relevância do evangelho está exatamente na sua simplicidade. É cada vez mais fácil encontrar cristãos que acharam a “igreja certa” do que os que simplesmente encontraram o evangelho. A sofisticação da igreja mantém o cristão num estado de espiritualidade falsa e superficial. A maior deficiência do cristianismo não está na forma, mas no conteúdo.
 
A verdadeira experiência espiritual requer um coração aquecido e não sentidos aguçados. Precisamos elevar nossos afetos por Cristo, seu reino, sua Palavra e seu povo, e não os níveis de sofisticação e exigências institucionais. O vaso deve ser de barro, sempre. O tesouro que ele guarda, o evangelho simples de Jesus Cristo, é que tem grande valor. A sofisticação produz queixas, impaciência, falta de caridade e egoísmo. A simplicidade sempre nos conduz a compaixão, sinceridade, devoção e autodoação.
 
Ricardo Barbosa de Sousa é pastor da Igreja Presbiteriana do Planalto e coordenador do Centro Cristão de Estudos, em Brasília. É autor de “Janelas para a Vida” e “O Caminho do Coração”.

Frases fundamentais para a missão da igreja

As missões não são um ‘Ministério Opcional’ para alguns cristãos hiperativos da igreja; as Missões são o propósito da igreja.
Anônimo
 
Basicamente, a igreja tem muitas responsabilidades, mas uma só missão: a evangelização e o discipulado das nações.
Daniel Bacon
 
Se o que você prega não está tocando a outros, é porque primeiro não tocou a ti mesmo.
Curry R. Blake
 
A maioria das organizações cristãs deseja que seus candidatos estudem em um seminário durante quatro ou cinco anos. Eu preferia que pudessem descer ao inferno por somente cinco minutos; tal experiência seria a melhor qualificação para uma vida de ministério compassivo.
William Booth
 
Se dez homens estão carregando um tronco, sendo nove deles no lado mais leve, e somente um segurando o lado mais pesado, e você deseja realmente ajudar, que lado você escolheria levantar?
Willian Borden, falando sobre o número de obreiros nas igrejas ocidentais, em face ao número de obreiros entre os povos não-alcançados.
 
Se uma igreja está “em Cristo”, se envolverá com a obra missionária; então sua inteira existência terá um caráter missionário: sua conduta, bem como suas palavras, convencerão aos incrédulos, e silenciarão sua ignorância e necessidades.
David Bosch
 
Somos devedores de cada homem; devedores em dar-lhe o Evangelho na mesma medida em que temos recebido.
P.F. Bresee
 
Não existe chamado mais alto ou privilégio algum maior, conhecido para o homem, do que envolver-se em completar a Grande Comissão.
Bill Bright
 
Uma só vida pode ser tão valiosa para os propósitos de Deus, que nela não se pode por um preço; e sua vida pode ser essa vida.
Oswald Chambers
 
Cada congregação deve apoiar a dois pastores: um, para as centenas ou milhares que estão em casa; outro, para os milhões que estão no campo missionário.
Jacob Chamberlain
 
Seu ministério é o que você faz para abençoar os outros.
Darlene Cunningham
 
Se você encontrar uma cura para o câncer, não será inconcebível ocultá-la do resto da humanidade? Será muito mais inconcebível guardar silêncio se você tem a cura para o eterno salário do pecado, a Morte.
Dave Davidson
 
Existem redes e existem peixes… mas faltam pescadores!
Roberto Duran
 
Viva de tal maneira que quando chegar o momento de morrer, não tenha mais nada para fazer, senão morrer.
Jim Elliot
 
Quando vastas regiões em diversos continentes estão prostradas nas mais completas trevas e milhões sofrem os horrores do paganismo e do Islã, mais que um chamado para ir ao estrangeiro, você deveria provar que tem um chamado para PERMANECER em seu país.
John Keith Falconer
 
Não é nossa escolha levarmos ou não o Evangelho. É nossa morte se não o fizermos.
Peter Taylor Forsyth
 
O mundo está dormindo na escuridão, e muitas igrejas não podem lutar porque estão dormindo na luz.
Keith Green
 
Se perdermos o espírito do ‘Ide’, perdemos o espírito cristão. Uma igreja desobediente se converterá em uma igreja morta; morrerá de uma parada cardíaca.
S.D. Gordon
 
Os missionários vivem das promessas dos ricos e das ofertas dos pobres.
Alfredo Guerrero
 
O primeiro requisito para ser um missionário, não é seu amor pelas almas, como se tem escutado, mas o seu amor por Cristo.
Vance Havner
 
Não importa quem somos; somos todos chamados a cooperar com Deus em seu grande plano de resgate e reconciliação: a evangelização do mundo.
Ted Hegre
 
O Evangelho só é boa nova, boas notícias, se chegar a tempo.
Carl F. Henry
 
O último mandamento de Jesus deve ser nossa primeira preocupação.
Larry Hill
 
Se cada pessoa no mundo tivesse suficiente comida, moradia e recursos financeiros; se cada pessoa enxergasse os outros com o mesmo valor e se desaparecesse todo mal social e injustiça, as pessoas ainda necessitariam de uma coisa… Cristo!
J.W. Hyde
 
É incrível o que se pode realizar quando você não se preocupa sobre quem receberá o reconhecimento.
Clarence Jones
 
Receber o perdão de Deus é a necessidade mais urgente de cada ser humano.
Norm Lewis
 
Para que estamos aqui? Para nos divertirmos com outros cristãos ou para salvar os pecadores?
Malla Moe
 
Senhor Jesus, me entrego ao teu serviço… Agora eu faço uma pergunta: onde posso servir-Te? Sua Palavra disse que seu desejo é que o Evangelho seja pregado até o último da terra. Meu desejo, ó Senhor, é estabelecer-me no lugar que mais necessite de obreiros, e onde haja maiores dificuldades.
Missionário Robert Morrison
 
É impossível aproximar-se do coração do Mestre, sem aproximar-se da missão do Mestre.
Larry Moyer
 
Em lugar de querer ver igrejas maiores, devemos nos preocupar em ver cristãos maiores.
Rich Mullins
 
Toda a minha vida tenho ouvido os pregadores dizerem que devemos ter tesouros nos céus, porém nenhum me disse exatamente como fazê-lo. Eu tive que averiguar, e descobri que a única maneira de fazer isso é investir o dinheiro em alguma coisa que vá ao céu. O gado, as terras, as casas, os automóveis, as ações, o petróleo, e coisas como estas não vão ao céu.  Portanto, se meus tesouros devem ir a este lugar, devo pô-los a trabalhar na poderosa empresa de redimir as almas que serão aptas para o céu.
Pat Neff
 
Em Deus, a geografia é nula, pois toda a Terra a Ele pertence.
Fernando Nieto
 
Jesus não nos deu a Grande Comissão, somente a repetiu e reafirmou… A Comissão que vemos no Novo Testamento é uma continuação do plano e propósito de Deus que se encontra desde o princípio no Antigo Testamento.
Kerry A. Olson
 
Podemos enviar obreiros até o fim do mundo, batizar e ensinar todas as coisas; porém, se não produzirmos discípulos, teremos falhado com a tarefa da Grande Comissão.
Kerry A. Olson
 
Deus está buscando com paixão onipotente um propósito mundial, de reunir alegremente os seus adoradores de cada tribo, língua e nação. Deus tem um entusiasmo incansável pela supremacia de seu nome entre as nações. Portanto, ponhamos em linha as coisas que amamos com as Suas, e, por Seu nome, renunciemos à busca das comodidades mundanas e unamo-nos ao Seu propósito global.
John Piper
 
As Missões não são a meta final da Igreja, mas sim a adoração a Deus. As Missões existem porque a adoração de todas as nações ainda não existe.
John Piper
 
Deus preparou todo o mundo para o Evangelho e o Evangelho para todo o mundo.
Don Richardson
 
A primeira tarefa que Jesus fez depois de ressuscitar, o único tema que ocupou sua mente durante os quarenta dias que passou com seus discípulos e a última coisa que mencionou antes de ascender ao céu, foi ensinar, exortar e enviar ao cumprimento do plano de salvação.
Andrés Robert
 
As pessoas que não conhecem ao Senhor dizem, ‘porque eles gastam suas vidas como missionários?’. Porém esquecem que eles também estão gastando suas vidas… E quando a bolha estourar, eles não terão nada de significado eterno para mostrar pelos anos que gastaram.
Nataniel Saint, missionário e mártir
 
Nunca tenha pena dos missionários; mas sim, inveje-os. Eles estão onde se encontra a verdadeira ação: onde a vida e a morte, o pecado e a graça, o Céu e o Inferno convergem.
Robert C. Shannon
 
Não se deixe enganar: êxito na vida é simplesmente conhecer a vontade de Deus para você, e realizá-la.
David Shibley
 
Não posso conceber outra coisa que me produza tanto júbilo e que durará por toda a eternidade, como a vista de outros que tenham chegado ao céu pela nossa obediência.
David Shibley
 
Se você tem a visão de alcançar o teu bairro, a tua cidade – ou melhor, toda a América, regozija-te! Você está vendo 5% do coração de Deus. Pois essa é a porcentagem desta população comparada com toda a população mundial. Expanda a tua visão para todo o mundo – e conhecerás os outros 95% do coração de Deus.
Bob Sjogren
 
Esperamos que os jovens de nossas igrejas entreguem suas vidas a Deus para servirem no campo missionário, porém a maioria de nós não está disposta a entregar nossas carteiras e nossas contas bancárias para sustentá-los e servir ao mesmo propósito.
Pablo B. Smith
 
Não há nada no mundo ou na igreja que torne impossível terminar de evangelizar o mundo ainda nesta geração, a não ser a desobediência da própria igreja.
Roberto Speer
 
Sua autoridade na terra nos desafia a ir a todas as nações, Sua autoridade no céu nos dá a única esperança da vitória, e Sua presença em nós não nos deixa outra escolha.
John Stott
 
Não devemos nos perguntar: ‘o que está acontecendo com o mundo?’, porque este diagnóstico já foi dado. Em vez disso, devemos perguntar-nos: ‘o que está acontecendo com o sal e a luz do mundo?’
John Stott
 
Temos os meios para poder evangelizar nosso país, mas eles infelizmente estão dormindo nos bancos de nossas igrejas.
John Stott
 
Que parte da palavra ‘IDE’ você não entendeu?
Robert Suhonen
 
Se pudéssemos dar a Deus quanto quiséssemos, ou muito ou pouco, então nós seríamos os senhores e Ele seria nosso devedor… Mas se, pelo contrário, Ele é o Senhor, então vamos tratá-lo como tal.
Hudson Taylor
 
O mundo necessita ver a demonstração do Reino, e não somente a proclamação de palavras.
Carroll Tompson
 
O melhor missionário é a Bíblia no idioma materno. Não tira férias e nunca é considerado um estrangeiro.
Cameron Townsend
 
Se você crê que o regresso de Cristo é iminente, tenho más notícias para você. Ele não regressará na semana que vem, nem no ano que vem. Mas porque não? Porque Ele mesmo o disse, …só regressará quando a Grande Comissão tiver sido completada por seus discípulos (Mt 24.14).
Steef Van T’Slot
 
É fácil perder a visão pelas almas… Se você não tem tempo para compartilhar a sua fé com o próximo, é sinal que está demasiado ocupado.
Jorge Verwer
 
Nós, que temos a Vida Eterna, necessitamos livrar-nos de nossas próprias vidas.
Jorge Verwer
 
Temos uma fraca ideia do que é utilizar dinheiro de uma forma cristã. Compramos muitos livros, viajamos quilômetros para escutar um conferencista falar sobre a prosperidade e pagamos grandes quantidades de dinheiro para ouvir uma banda cantando seu último sucesso, porém nos esquecemos de que somos soldados.
 Jorge Verwer
 
Seu ministério é seu serviço aos crentes, e sua missão é seu serviço aos não crentes.
Rick Warren
 
Se uma só pessoa for ao céu por sua causa, sua vida terá feito uma diferença por toda a eternidade.
Rick Warren
 
A Grande Comissão não é a Grande Sugestão.
Rick Warren
 
Fazer outras coisas na igreja, sem evangelizar, é como mudar os móveis de lugar enquanto a casa está em chamas.
David Watson
 
Evangelismo é uma igreja crescendo onde está. Missões é uma igreja crescendo onde não está.
Dr. Ralph Winter
 
Se no ocidente insistirmos em guardar nossas bênçãos ao invés de compartilhá-las, o resultado será como na história de algumas nações: teremos que perdê-las para que as demais nações as recebam.
Dr. Ralph Winter
(Extraído)